Pages

24 de fevereiro de 2008

Faltam 3 minutos.


Oi Faltam 3 minutos para começar o dia que mais abala o meu ano.... Sim eu tenho um dia assim, daqueles que nuca mais esqueci ..... Uma noite antes, a briga, a desconfiança de que algo ia acontecer, eu já era meio bruxa, e no dia seguinte puf ..... As coisas sendo jogadas, arremessadas em um saco de lixo preto, muito choro, nenhum grito, nenhum pedido de mais uma chance, e lá se foi a pessoa que eu posso dizer que era a mais importante da minha vida, veja bem "era". Ele não olhou para trás, ele não disse o tão carinhoso eu amo vcs, apenas foi, sem nem ao menos vestir uma roupa decente, saiu assim de cueca mesmo, como se estivesse possuido, afinal ele devia realmente estar ...... "Ele" o meu pai, era tudo que eu sonhava em copiar, era a pessoa que me protegia, que cuidava de mim, que apesar de eu ser um patinho feio sempre dizia que eu era a gauchinha mais linda que ele já tinha visto, afinal eles servem para isso, para mentir, mentir sempre que precisar. E eu a tonta acreditava, chorei tanto naquele dia sem nem ao menos perceber de que aquilo era só o começo do inferno .... Minha mãe dizia que iamos conseguir, porra conseguir como? Abandonadas em um lugar totalmente feio, sem família, sem comida, sem dinheiro, sem telefone, e com muita vergonha de ter sido abandonada..... Começamos a vender o que tinhamos para poder viver com o minimo de vida, para ter agua, luz e um pouco de comida, chegou a hora em que não tinha mais luz, que nem importava mais, afinal não tinha tv, não tinha radio não tinha nada..... Ai não tinha mais agua tb, a não ser o pouquinho que cai da barraca na praia, onde iamos todos os dias para nos alimentar de sol..... Porque já não tinha comida, isso durou 6 meses, depois de 3 meses, eu uma criança que tinha cabado de completar 8 anos arrumei um emprego na feira, para tirar as folhas ruins, e embalar as verduras que as mães das minhas amigas compravam, e aquelas folhas ruins nos alimentaram por muito tempo. Uma vizinha, que era a dona da casa onde moravamos, nos dava um prato de comida todos os dias, com arroz e feijão, mais era apenas 1 para as 3 dividirem, isso era nosso almoço e nossa janta..... A outra que tinha uma filhinha, e o marido era amigo do meu pai, nos dava uma mamadeira toda noite, e nos dividiamos em 3, a vergonha era tanta que não tinha vontade de ir a escola, não queria mais nada. Quando não tinha nada, minha mãe falava para dormir que a fome passava, eu odeio essa frase, eu odeio pensar assim. Nós iamos até a praia todos os dias, para ver se distraia a cabeça. Minha mãe ficou muito doente, ela gritava dia e noite, e eu não sabia o que fazer, eu era uma criança. Para quem pedir socorro? Dois dias depois de que ele foi embora era meu aniversário, e minha mãe na esperança me arrumou toda e eu fiquei lá sentada na porta de casa esperando sentir a vibração do caminhão dele chegando, e ............... foi se o dia e nada. Eu pedi para a vizinhar me deixar ligar a cobrar para o serviço dele, escondido da minha mãe, e todos os amigos me deram os parabéns, mais ele não estava lá estava de férias no Maranhão....., Quando ele apareceu nós pareciamos bichos do mato, com medo de olhar nas pessoas, e principalmente nele, Ele foi nos buscar com o caminhão e o trastorno era tanto que ele quase bateu o caminhyão dizendo que não tinha nada ali que ele devesse preservar. Hj dia 25/02 completam 16 anos que ele se foi, 16 anos que eu perdi o respeito e quase todo o amor que eu tinha por ele, hj nos falamos, nos abraçamos, mais eu nunca vou me esquecer do quanto nos sofremos. Nunca vou me esquecer do que é sentir fome, ter que pedir comida ............. nunca. Ele conseguiu marcar a minha vida, nos dias em que eu mais ficava alegre mesmo que fosse para ganhar uma bala, pois eu sabia que ele ia estar lá, que ele ia me abraçar. Nos anos seguintes durante muito tempo nós não tinhamos nem como fazer um bolo de farinha e agua, para poder polpar o pouco que minha mãe ganhava se escravizando dia e noite em uma clínica médica. Eu nunca mais vi a minha mãe sorrir como quando eu era criança, eu nunca mais confiei em ninguem, eu sou uma pessoa amarga sim, nos 3 somos, temos os mesmos medos, mais a certeza de uma não deixou a outra morrer, que sempre estavamos ali cuidando preservando, minha mãe deixava de comer para dar para nós, eu comia menos para a Poli ter o que comer. No ano passado eu disse que um dia contaria porque eu odeio tanto esse dia, e hj eu senti essa vontade de falar, de chorar, porque ele ta chegando, e eu não gosto de comemorar e todos sabem disso, e isso não vai mudar porque meu filho gosta de cantar parabéns, ele tem o dia dele, e eu respeito isso, e eu preciso de que respeitem o que eu sinto apesar de muita gente achar que é frescura de uma menina amarga, mais não é, quem já sofreu na vida sabe que os dias marcam muito e que não é frescura.

7 comentários:

B i a disse...

Minha garganta trancou,secou.
Tô aqui com o coração dóido,acelerado e,sem conseguir imaginar.
Mais que nunca,vc é guerreira,vencedora,pq se vc tá aqui pra contar,além de tudo,se tornou,mulher,mãe,esposa.

Todas as razões pra ser respeitada,admirada.

bju

Zulkijora disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
lulu disse...

poxa, pam. não sabia que vc tinha passado por tudo isso...
olha só, não fica se lamentando pelo passado não. veja o seu presente, a vida e a super família que vc tem hoje. vc sobreviveu a tudo isso, não é qualquer um que consegue. orgulhe-se disso e seja feliz! amanhã é o seu dia e vc MERECE comemorar muito! beijo

Samantha disse...

Amiga...
Uma coisa eu sei.
Força não te falta e vc é uma vencedora.
Todos os méritos a vc, Poli e tia Marilena.

Bjo

Tathi disse...

Pam...

Eu não tinha nem idéia de que vocês já tinham passado por momentos tão horríveis, tão dolorosos...

Minha querida, nada do que eu diga pode mudar o que passou, ou o que vocês sentiram, e muito menos apagar as cicatrizes que ficaram, mas a maneira de encarar sua vida daqui pra frente muda toda sua vida.

Querida, vocês são vencedoras, vocês 3. Olha quantas coisas conquistaram até hoje, até esse momento.

Você é muito mais corajosa e tem muito mais garra do que admite para si mesma e para o mundo.

E tem mais é que comemorar seu dia sim. Mais do que merecidamente, por cada conquista, por onde está agora, por quem você é, minha querida! Orgulhe-se se si mesma! Eu me orgulho de você e muito!

Sinto muito, muito mesmo pelo o que se passou, mas torço, sinceramente para que você olhe no espelho e perceba a mulher que você é!

Beijos!

Flá disse...

Claro que eu chorei...que triste. Mas Pam...sei que existem coisas que não podemos esuqecer...mas estas coisas nos fazem ter força para viver!!
beijos

Calu disse...

UAU
Não consigo imaginar a dor que você passou.
Além da dor em si das dificuldades do dia a dia, ainda tem a dor de ver uma figura tão importante para você ruir...
Meu único conselho, se é que você me permite, é o seguinte:
Tente não passar para seu filho uma mágoa que é sua, entende?
Tente se abrir mais, tente acreditar na mágica de novo, tente amar o aniversário dele...

Se quiser conversar, sempre sabe aonde me encontrar, né?

Adoro você

Beijão

Calu
http://blog.mulheremae.com.br